Rosemeire Santana
Rose Meire Santana

Rose Meire Santana é professora e bibliotecária na cidade de Nova Brasilândia d’Oeste, em Rondônia, a quase 500 quilômetros de Porto Velho. 

Com pouco mais de 20 mil habitantes, o município tem cinco escolas municipais. Uma delas, a Machado de Assis, é a única que passará a contar com uma biblioteca — e isso se deve ao empenho de Rose, como é chamada, e de toda comunidade escolar.  

Apaixonada por livros, Rose sempre esteve envolvida em campanhas e projetos de leitura, seja costurando parcerias com a comunidade para incentivar a doação, seja pagando com o próprio dinheiro os livros para mais tarde doar.  “É um trabalho árduo de formiguinha, mas surte efeito”, diz.

Após muito diálogo, em março de 2019, a Secretaria de Educação de Nova Brasilândia d’Oeste juntamente com a gestão da escola, professores, bibliotecários e a comunidade escolar começou a tirar do papel o sonho antigo de se criar uma biblioteca na escola Machado de Assis, onde Rose já realizava rodas de leitura com os estudantes. 

No entanto, a escola não contava com um espaço adequado, apenas um almoxarifado onde os livros ficavam guardados. Após a visita da Secretária de Educação, Maria Aparecida Rezende, atendendo a solicitação da gestão, de Rose e da própria comunidade escolar, a biblioteca começou a se tornar uma realidade. “Fui insistente. Até porque temos que cumprir a lei de toda escola ter uma biblioteca até 2020Não é mesmo?”, diz.

Assim, a escola disponibilizou uma sala de aula para seu funcionamento em um espaço equipado com todo o material necessário e mobiliários (foto ao lado) adquiridos com recursos da Secretaria de Educação.

Em paralelo, Rose e Zenilde, professora de Matemática, se uniram e passaram a comprar um livro por mês para doar para a biblioteca. Além disso, deu-se início também a uma campanha de doação de livros entre alunos e a comunidade escolar — que continua a todo vapor.

A biblioteca da Machado de Assis funcionou até setembro de 2019, quando obras para reforma da escola começaram. Com as melhorias, uma sala especialmente feita para a biblioteca será inaugurada. A expectativa é que tudo fique pronto no início do ano letivo, em 6 de fevereiro de 2020. A partir daí, Rose pretende aplicar na biblioteca uma iniciativa que já realiza em outra escola, e que envolve leitura de forma interdisciplinar com a participação de alunos e educadores

“Meus alunos são maravilhosos, eles amam ler. Às vezes, agora nas férias, nos encontramos na rua e eles dizem que estão com saudades da biblioteca, que querem ler. Sou apaixonada pelo o que eu faço”, finaliza Rose.